Mais sobre o Lou

 Lou em Asas de Socorro  1991

Creio em Milagres

 Lou Mello

Acho que sou Teólogo, Professor, Escritor, Consultor para ONGs (e especializado nas cristãs), Iniciador do Projeto Coração Valente

 

 

Recomendação do Dr. Dale W. Kietzman

 

If you can do it from your end, here us approximately what I have written each time:

“I have known Lou Mello for at least 35 years. He is an imaginative and effective communicator, giving his clients the best possible image and ultimate results.”

Dale W. Kietzman, PhD  +

 

§§§§§

Dr. Dale W. Kietzman

 

Conheci o Dr. Dale quando fui trabalhar na Open Doors Mission (no Brasil, Missão Portas Abertas). Eu vinha de uma viagem missionária de dois meses pelo leste europeu (na época, chamado de cortina de ferro), e nosso alvo principal foi a Albânia, auto-declarado o primeiro país ateísta do planeta. Na mesma semana, o Dr. Dale, então vice-presidente de Desenvolvimento para as Américas, veio ao Brasil junto com o Irmão André, fundador e presidente da Open Doors, e conversamos um pouco. Alguns meses depois, o Dr. Dale voltou a São Paulo e marcou uma reunião comigo, entre outros, e me convidou para trabalhar nessa missão, para coordenar o desenvolvimento (marketing, para ser mais atual) no escritório do Brasil.

O detalhe interessante foi o fato de não fazer a menor ideia desse trabalho. Naquele tempo, recém casado, trabalhava no Centro de Esportes da Prefeitura no Ibirapuera, dando aulas de natação e compondo a equipe do projeto “Adote um Atleta”. 

Em princípio, o Dr. Dale me escalou para visitar igrejas dando testemunho da minha missão na Albânia e propagando o trabalho da Missão, sem esquecer jamais, de coletar nomes e endereços das pessoas presentes nessas reuniões. Antes de voltar para os Estados Unidos, me avisou sobre me treinar para o trabalho de “desenvolvimento”, a partir da próxima vinda dele ao Brasil.  

De fato ele trouxe um calhamaço de material para eu estudar, desde o embasamento bíblico na questão da contribuição do povo de Deus, passando depois pelos modelos de outras organizações e muitas outras áreas do trabalho. Antes de partir, novamente, ele me avisou para estar pronto para dar uma palestra sobre desenvolvimento para o pessoal do escritório, na sua próxima vinda. Com isso me colocou na senda do Desenvolvimento para o resto da vida, salvo engano.  

Até hoje, sempre que manipulo esse material, ainda aprendo alguma coisa relevante não conhecida por aqui. Naquele tempo, ainda não havia nenhum curso relacionado a captação de recursos para organizações sem fins lucrativos (Nonprofits em inglês) , nem esse nome existia, por aqui, ainda.

Trabalhamos juntos na Open Doors por três anos. Quando comecei, a Missão recebia cinquenta doações por mês. Depois de implantar todas as rotinas do desenvolvimento ensinadas pelo Dr. Dale, pouco mais de um ano, alcançamos mil e quinhentas doações por mês. 

Depois de três anos, deixei a missão, despedido pelo próprio Dr. Dale. A razão dele para tanto, foi o fato de eu estar pronto para conseguir outro emprego em qualquer outra organização similar, enquanto meu algoz (não importa quem seja) não sabia nem como voltar para casa. O Dr. Dale deixou a missão logo depois, também. O Irmão André me disse, certa vez, que o Dr. Dale foi um milagre que Deus enviou para Open Doors e para ele, particularmente.

Por mais incrível que pareça, continuamos amigos para sempre. Pouco antes de falecer (2015), ele fez essa pequena recomendação (acima) para mim, lá no Linkedin, me aconselhou a continuar trabalhando nas nonprofits e queria me enviar todo o material que ele tinha sobre Desenvolvimento, mas não teve tempo. 

§§§§§§

Pessoal assíduo aqui  já está careca de saber quais são as minhas graduações e pós, etc. Então não se importe com isso. Importa as amizades conquistadas e servir ao Criador e Seu Filho Salvador.

Pessoalmente, dou pouco valor a tudo isso. Escolas e Universidades praticam o monopólio dos diplomas e a ajuda é sempre muito relativa. Lecionei Educação Física, convenci centenas de pessoas que nadar é uma capacidade inata, ou seja, já vem de fábrica, só não pode se auto sacanear, dizendo a si mesmo que não sabe nadar. Estudei a Bíblia e ainda o faço, lecionei em várias escolas teológicas e os frutos vivem por aí, sempre usando o método socrático e o livre pensar.

Valorizo muito mais os meus mentores, tais como Dr. Russel P. Shedd, Dr. Zenon Lotufo Jr., Carlos Lachler e Dr. Dale W. Kietzman, em relação às escolas.

 

Meu espírito é missionário. Plagiando o Amir Klink,

“Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para desejar estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”.

 

Viajei bastante por aí, estive na Europa nos tempos da Cortina de Ferro no Leste Europeu, Áustria, Albânia, Alemanha, Holanda, França e Portugal;  em alguns lugares da África, tais como Africa do Sul, Moçambique e Malawi, nos Estados Unidos onde morei por um tempo e  ainda pretendo viajar, se puder. A maior parte disso teve a ver com minha proposta missionária.

Atualmente, continuo acalentando o Projeto Corações Valentes, embora ele não tenha vingado ainda. Talvez sinta falta do Thomas, meu filho perdido em 2013, por causa de uma cardiopatia congênita muito complexa  e médicos pouco éticos (Exceto a Dra. Márcia Cristina Carmignani – lá de Sorocaba).  Hoje, acredito em milagres, sério. Não os tenho visto por aí, mas eles deviam estar acontecendo aos montes. Até aqui, falhei nisso, miseravelmente. 

Além de lecionar (Ef. Física, Teologia e desenvolvimento) , ensinei organizações não lucrativas a fazer amigos para ter sustento (eles cuidam disso) e, também, tentei ajudar as pessoas a crescerem através da mudança comportamental (auto-compreensão). Ajudei as pessoas a desenvolver a espiritualidade, tão inata quanto a natação. Gostaria de treinar professores em Prática e Métodos de Ensino, quem sabe…

Escrever surgiu como a forma ideal para realizar algo que sempre gostei muito de fazer, e me livrar dessa coisa em meu interior que pressiona meu peito com potencial para me matar, caso não me livre das milhares de palavras presas aí. Tenho alguns projetos de livros em andamento, quem sabe, ainda edito um ou alguns deles, antes de fazer a travessia.

Gosto, também, de música, literatura em geral, educação, astronomia (minha segunda paixão secreta, Ih falei).

Sou o principal leitor de tudo que escrevo. Ter leitores sempre foi algo inimaginável para mim, e ainda me surpreendo com milhares de pessoas lendo meus escritos, comentando, clonando, tanto na Gruta como aqui, enfim.

 

 

 

São Paulo SP

louhmello@gmail.com

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *