Qual programa utilizar para controlar minhas finanças?


Outro dia me perguntaram como faço para controlar as minhas finanças pessoais. Adorei a pergunta, pois significa que a pessoa começou a se organizar financeiramente! Para isto, basta utilizar uma planilha, um programa ou um serviço online, e essa é uma escolha bastante pessoal.

Como experiência, recomendo utilizar algum programa pronto. Não vamos reinventar a roda, principalmente para quem não possui conhecimentos avançados de Excel. Essa necessidade não surgiu ontem e existem soluções bastante adequadas para cada perfil. Hoje eu utilizo o Quicken, que talvez não seja a melhor opção para todos, pois é em inglês e pago, mas é um dos programas mais antigos e completos do mercado. Atualmente existem diversas opções gratuitas e em português, que podem ser online (ou seja, não requerem instalação, apenas um login online, e ficam disponíveis de qualquer lugar) ou com instalação no computador.

Para começar vou falar do Mint que é o benchmark, ou seja, o melhor programa para controle financeiro existente em minha opinião. Ele é fácil de usar, intuitivo, online, gratuito, tem aplicativo pra smartphone e o principal: possui uma integração fantástica com os bancos e extratos, de forma que praticamente tudo é automatizado. Infelizmente funciona apenas nos Estados Unidos e Canadá, mas quem sabe um dia o teremos no Brasil.

O sistema bancário brasileiro ainda não permite 100% de integração online com esse tipo de programa. O que temos são exportações de extratos do seu internet banking para um arquivo, que podem ser importadas para o programa e depois classificadas manualmente. Não é um bicho de sete cabeças e nem muito trabalhoso, mas está longe de ser automático.

Como este artigo é voltado para o brasileiro que nunca utilizou um programa de controle financeiro na vida, focarei em opções simples e nacionais. Os atributos que avaliarei serão: tipo (online ou instalado), preço, interface, facilidade no uso e a função de importação de extratos do banco.

Manubia – Online, com versão gratuita e paga. Fácil de utilizar e com interface bonita, porém não consegui realizar a importação do extrato. Talvez o leitor tenha mais sorte.

gBolso – Online e gratuito. Sua interface é bem simples, mas já está um pouco antiquada. Importação de extratos também não funcionou comigo.

Spesa – Online, gratuito, com boa interface. Não possui atualização há alguns anos, uma pena.

Organizze
– Online, com versão gratuita e paga. Apesar de bem simples e com poucos recursos, possui uma boa interface, e a importação de dados funcionou perfeitamente.

Moneytrackin – Online, gratuito e bem simples. Com poucas funções e limitado.

Sr. Dinheiro
– Online, gratuito, fácil de usar e com acesso pelo celular. Com poucos recursos e limitado.

Microsoft Money – Instalação. Um dos melhores programas pagos já desenvolvidos. Possui uma excelente versão em português, fácil de usar e com boa integração com os bancos, mas que deixou de ser atualizada em 1999 por não ser rentável em nosso mercado (pessoas físicas não gostam de pagar por programas). A versão mais atual (MS Money Plus Sunset) está disponível apenas em inglês e é gratuita.

JFinanças – Instalação. Ótima interface, totalmente em português. É pago, mas possui uma versão de testes 100% funcional. Importação de dados funcionou perfeitamente.

FinanceDesktop – Instalação. Boa interface, gratuito e totalmente em português. Importação de dados funcionou perfeitamente.

Hábil Pessoal
– Instalação. Boa interface, gratuito e totalmente em português. Com uma função especial de controle de gastos com carros.

Um ponto que considero chave é avaliar se:

1 – Você gostou da interface e entendeu como funciona, afinal é você que vai utilizá-lo

2 – Se o programa atende as suas necessidades (é fácil de importar os dados do seu banco/cartão de crédito, se lida adequadamente com os seus investimentos, etc)

Na dúvida, gaste algum tempo testando o produto, antes de começar a utilizar para valer. Se você leu até aqui, parabéns, você está no caminho certo. Lembre-se que o dinheiro é carente: se você não cuidar dele, ele migrará para a carteira de quem o faz!

Se você utiliza outro programa ou tem uma opinião diferente da minha, deixe seu comentário!

Vitor Nagata é editor do Blog do Investidor e profissional da área de investimentos


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *